Collector's
Studios Ltda.
::: Collector's ::: Rádio Collector's

Ouvintes online:
• Visualizar em 800 X 600 pixels • Internet Explorer ou Firefox
HOME NOSSA PROPOSTA O DISCO O RÁDIO NOTÍCIAS RECADASTRAMENTO FALE CONOSCO BUSCAS LOJA
     
Web Site




   A História da música de Carnaval - Acervo

SOBRE O ACERVO

Na edição de janeiro de 1994 do Collector's Notícias montamos nossa História da Música de Carnaval com 58 matrizes contendo todas as gravações originais das músicas de carnaval desde o Zé Preira até o carnaval de 1979.

Para uns faltava a música tal. Para outros, outra música. A mesma dúvida tivemos nós quando lemos pela primeira vez o livro do Edigar de Alencar - O carnaval carioca através da música.

Na época, Almirante ainda estava vivo e fomos ao seu encontro lá no Museu da Imagem e do Som para conversar sobre esse assunto. A explicação era simples e clara. Havia os sucessos chamados "inquestionáveis" e os sucessos relativos ou seja só conseguido em certas cidades, certos bairros ou mesmo certos clubes.

Na época do carnaval cada regente de orquestra selecionava o seu repertório carnavalesco para executar nos bailes onde sua orquestra se apresentaria. É evidente que nem todas as músicas eram iguais. Naquele clube haveria sempre uma ou duas músicas que seriam tocadas exaustivamente nos 4 dias mas que só fariam sucesso alí, naquele clube.

Na rua, igual fenômeno poderia acontecer. Nos tempos áureos da música de carnaval (décadas de 30, 40 e 50) o processo de aprendizado das letras era o seguinte: comprava-se o jornal "A modinha" e depois grudava-se no rádio para ouvir as músicas e aprender as letras. Ora, nem todo mundo se interessava por todas as músicas. Algumas eram decoradas mais depressa e por isso mesmo mais cantadas nas manifestações de rua ou solicitadas às orquestras, nos clubes.

Conseqüência: nossa História da Música de Carnaval, dificilmente poderia agradar integralmente a gregos e troianos. Na primeira série focalizamos as músicas consideradas sucesso por vários pesquisadores e, já no final, pela comprovação feita pelo ECAD. Posteriormente lançamos mais uma fita com o carnaval de 1980, para fechar a coleção e mais 36 fitas com um segundo volume de cada um dos anos de 1930 a 1965. Há anos que comportam até uma terceira fita ou seja 60 músicas mas há anos em que é realmente difícil encontrar mais de 40 músicas conhecidas.

O carnaval é o maior repositório de sucessos musicais brasileiros. A música de carnaval é também a fonte dos sucessos dos filmes brasileiros e do teatro de revistas. Mais de 90% dos nossos filmes musicais e das nossas peças do teatro de revistas estão apoiados na música de carnaval. Por isso, a música de carnaval é de importância capital na formação cultural de nosso povo e também por isso dedicamos a ela um acervo tão amplo: 95 horas de áudio, até agora, composto de 1.900 fonogramas.

Se ainda assim, Você não encontrar a música que brincou no seu carnaval, escreva-nos dando uma dica: o nome, o intérprete, o ano ou alguns versos. Tentaremos inclui-la nas próximas matrizes. Temos ainda um acervo muito grande pois no carnaval havia uma avalanche de músicas em busca do sucesso, embora nem todas conseguissem nem mesmo aparecer. Em certos anos eram tantas que as vezes nem eram tocadas.

Na segunda série de matrizes que estamos disponibilizando hoje há algumas poucas repetições perfeitamente justificadas: músicas que foram gravadas, no mesmo ano, por dois cantores diferentes. Cada cliente conhece o sucesso na voz de um cantor e por isso achamos conveniente colocar na segunda série de cada ano a versão que não foi usada na primeira matriz. É o caso, por exemplo, das seguintes músicas: Batucada (Gravada por Almirante e Mário Reis); General da Banda (Gravada por Blackout e Linda Batista); Tomara que chova (Gravada pelos Vocalistas Tropicais e por Emilinha Borba); Vagalume (Gravada por Violeta Cavalcanti e pelos Anjos do Inferno); Vai, mas vai mesmo (Gravada por Nora Ney e Ataulfo Alves); Deixa andar (Gravada pelo Bafo da Onaça e Elizete Cardoso); Se eu morrer amanhã (Gravada por Gilberto Alves e Carmen Costa); Agua na boca (Gravada pelo Bafo da Onça e Gigi) e Rancho da Praça Onze (Gravada por Dalva de Oliveira e Carminha Mascarenhas).

Também ocorre que algumas músicas não são propriamente de carnaval e são lançadas no meio-do-ano mas chegam até o carnaval e lá são cantadas com sucesso. É o caso de Saudosa maloca, Morro, Desespero de causa, Deixa isso prá lá, Opinião e outras. No caso de Desespero de causa fizemos até uma montagem mostrando a música original e um pequeno trecho de como ela foi cantada no carnaval, em ritmo mais acelerado.

Finalmente, nessa segunda série de cada ano tivemos a surpresa de encontrar no ano de 1960 duas músicas de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, o mesmo ocorrendo no ano de 1961, sendo que neste último elas são cantadas pelo próprio Vinicius de Moraes. São elas: A felicidade e O nosso amor (1960) e Água de beber e Lamento no morro (1961).


CARNAVAL
Mapa da seção
Fase mecânica
Fase elétrica
Letras
Histórias pitorescas
Acervo
Vídeo Clipes
Discos à venda


Copyright © 1997 - 2016 - Collector's Studios de Restauração de Áudios Ltda. Todos os direitos reservados.
Caixa Postal, 92.888 - Centro - Teresópolis - RJ - CEP: 25953-970 - Telefax: 0**21 3643-6700